19 Outubro 2011, 17:28

Países-membros da CEI chegaram a acordo sobre comércio livre

Países-membros da CEI chegaram a acordo sobre comércio livre

Os chefes de governo dos países-membros da CEI assinaram um tratado sobre a zona de comércio livre no território desta Comunidade.

Os chefes de governo dos países-membros da CEI assinaram um tratado sobre a zona de comércio livre no território desta Comunidade. Os participantes do Conselho de chefes de governo dos países da CEI afirmam que o novo tratado deve servir de base para a integração mais profunda e de ponto de partida na criação da Aliança Econômica da Eurásia. O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, apresentou e fundamentou a idéia de criação desta aliança em seu recente artigo, publicado no jornal “Izvestia”.

Os membros desta comunidade não conseguiam chegar a acordo a respeito das regras de comércio dentro da CEI durante dez anos. O primeiro tratado, assinado em 1994, praticamente não funcionava. Vários países jamais chegaram a ratificá-lo – muitas de suas disposições eram desvantajosas. No entanto, o intercâmbio comercial entre os países-integrantes da CEI cresce de ano em ano. Estima-se que no primeiro semestre de 2011 seu valor vai chegar a 134 bilhões de dólares, superando em 48% o respectivo índice do ano passado.

Esperava-se que a assinatura do tratado sobre a zona do comércio livre se desse em dezembro, pois precisamente neste mês em Moscou será realizada a cúpula jubilar, dedicada ao vigésimo aniversário da fundação desta Comunidade. Mas os chefes de governo da CEI conseguiram chegar ao acordo um pouco mais cedo. “Na realidade, este documento muda toda a configuração de relações econômico-comerciais no espaço pós-soviético”, – apontou Vladimir Putin.

Sem dúvida, a aprovação deste tratado permitirá retirar muitas barreiras e dar um novo passo qualitativo no desenvolvimento de relações econômico-comerciais entre nossos Estados. De um modo geral, isto vai lançar uma base sólida do ulterior aperfeiçoamento da Comunidade. Nossos países enfrentam tarefas semelhantes na esfera do desenvolvimento: É preciso encontrar fontes de crescimento em todo o espaço da CEI. Certamente, uma destas fontes de crescimento é a integração.

De acordo com o novo Tratado, os países-membros da CEI abrem um a outro os seus mercados, retiram barreiras e restrições para o comércio, anulam taxas de exportação e de importação para categorias inteiras de mercadorias. Vladimir Putin ressaltou à parte que a zona de comércio livre não contradiz os princípios e normas da Organização Mundial de Comércio. O primeiro ministro da Ucrânia Nikolai Azarov afirmou que as vantagens econômicas, proporcionadas pelo novo tratado, são evidentes.

Encontramos soluções que permitem criar um zona eficiente de comércio livre no quadro da nossa colaboração, o que significa que serão geradas novas vagas de trabalho, nossas empresas terão novas oportunidades de desenvolvimento e este último fator é especialmente importante na atual situação econômico-financeira instável.

Os participantes do encontro estão certos de que o Tratado sobre o comércio livre vai abrir novas oportunidades para a ulterior evolução da cooperação dentro da CEI. Estamos interessados em todos os projetos de integração, ressaltou o chefe do governo da Armênia, Tigran Sarkissian.

Vivemos num mundo em fase de mudança rápida e a dependência mútua dos países torna-se cada vez mais profunda. Temos a obrigação de criar plataformas modernas que permitam integrar as nossas economias. Estamos certos de que o documento assinado dará um novo impulso aos processos de integração e ao crescimento econômico em nossos países.

  •  
    E recomendar em