26 Fevereiro 2013, 21:02

Oceanos também têm “buracos negros”

Oceanos também têm “buracos negros”

O conceito de “buracos negros do Universo” é-nos familiar desde os tempos da escola, o seu estudo tem dado que fazer a gerações de cientistas. Recentemente, apareceu um novo conceito de “buracos negros do oceano”. Ao contrário dos buracos negros do espaço, estes “buracos” são feitos pelo homem.

Foi este o nome que os especialistas da OTAN atribuíram aos submarinos diesel-elétricos russos do projeto 636, classe Kilo, devido ao ruído extremamente reduzido, que dificulta ao máximo a sua deteção, refere o perito militar Viktor Litovkin, editor-chefe da publicação russa Nezavissimoie Voennoe Obozrenie(Revista Militar Independente):

“São navios bons, com um bom armamento de torpedos, minas e mísseis. Eles estão equipados com o sistema de mísseis supersônicos antinavio Klub, que provou ser excelente nos submarinos que a Rússia forneceu à Marinha de Guerra da Índia.”

Os submarinos Kilo são uma modernização da classe Varshavianka, que a Rússia começou a fabricar para exportação já há três décadas. Os submarinos Kilo mantêm as características principais e a arquitetura do Varshavianka, mas o seu recheio, equipamento radioeletrônico, meios de suporte de vida são totalmente modernos. Esses navios podem se deslocar em submersão à velocidade de 37 km por hora, submergir até 300 metros de profundidade e ter uma autonomia de navegação de 45 dias.

Dois desses submarinos serão enviados para o Vietnã durante o corrente ano. Eles foram construídos em São Petersburgo e já foram lançados à água, estando neste momento a realizar experiências de mar em submersão, no mar Báltico. No total, de acordo com contrato russo-vietnamita, o Vietnã irá receber seis submarinos da classe Kilo. A execução do total desse contrato, no valor de dois bilhões de dólares, está planejada para 2016. Viktor Litovkin acrescenta:

“É difícil sobrevalorizar a importância que esses submarinos têm para o Vietnã. Com eles, o país poderá defender com maior eficácia as suas águas territoriais, a sua zona econômica, as suas ilhas e plataformas petrolíferas. As frotas de superfície e submarina devem atuar em complementaridade. Os navios de superfície também devem estar protegidos abaixo do nível do mar. O inverso também é verdadeiro, a saída dos submarinos para o mar, especialmente perto das suas costas, deve ter sempre a cobertura de navios de superfície.”

O Vietnã é um parceiro tradicional da Rússia na cooperação técnico-militar. A cota-parte da Rússia como fornecedor de armamento a este país atingiu, na última década, os 90%. Neste momento, as empresas de armamento russas estão cheias de encomendas estrangeiras, mas em primeiro lugar estão os fornecimentos ao exército e à marinha da Rússia. Só depois se pode satisfazer as encomendas estrangeiras.

O contrato dos submarinos para o Vietnã é uma exceção em que a encomenda estrangeira é executada em primeiro lugar.

  •  
    E recomendar em